Nude.


Uma despedida final: silenciosa, irreversível e tristonha. Se eu pudesse explicar como me sinto ao menos uma vez. Os sentimentos parecem incoerentes: tudo de ruim que já passei se acumula em um lugar sombrio onde as lembranças se confundem. Ao menos, devo tentar superar o que foi passado. Separar em pequenos compartimentos, e reparar por um total e oco silêncio. Juntar os pedaços e formar um eu retomado de lembranças que não nos matem; não tirem nossos pedaços. Você não podia ter tido grandes idéias, porque elas não aconteceriam. Repita o mantra. Acrescente os refrões, o verso e a melodia. Corrija a voz. De novo. Repita o processo. Mais uma vez. Não faz bem. Calem-se. Continue. Ignore as vozes. Elas fazem barulho demais no lugar do mais vazio e completo silêncio.
            
Existe um sonho repetitivo nos arquivos ocidentais: a nudez frente ao público. Seu corpo exposto perante alguém que você nem ao menos conhece. A placidez falsa de alguém tomada de surpresa. A calma ilusória de quem não sabe quem é. A primeira vez que amantes ficam sem roupa frente um ao outro. O desespero momentâneo antes do prazer. O retumbar dos tambores de prazeres domados. A energia da pulsão de morte tomando conta dos seus erros e contornos. Você não deveria sentir, você não deveria pensar, você não deveria encontrar. Desculpa. Estou sem roupa frente a um público. Um sonho repetitivo. Freud, me salve. Peça ajuda a Lacan. Quebre a cabeça com Jung.
            
O processo de dissociação. A mente fechada em si mesma. A porta trancada. Os recônditos da sua possível estrutura de eu escondida para sempre. O definitivo de não supor, mas estar certo que alguma coisa fechou. As trancas se amarraram com avisos, perigos e cartazes.  Você se pinta de uma cor neutra, tenta preencher todos os vazios. Retomar o que não expressa nada. O zero. O sonho cartesiano levado com seriedade deveria destruir todos os sentimentos; entenda. Reconstrua-se a partir do ponto nulo.
            
Você vai para os lugares mais sombrios pelo o que sua mente suja está pensando. As reconstruções errôneas daquilo que você desejou; você não poderia ter pensando nas possibilidades. Errado. Incorreto. Comece de novo. Encha de silêncio. As lacunas do que você estabeleceu como meta. Encerre-se numa sina de ausência de palavras. Elas nunca significaram nada, além daquilo que você acredita. Você partira para o inferno pelo o que sua mente quer; pelo o que seu coração deseja. Acredite no que falo. Você foi avisado.
           
Adeus. Se todo texto é uma expressão de comunicação, este representa o zero. Estou prestes a ir embora para outra cidade. Um último texto e uma última música. Se nossa vida fosse um livro, eu diria que esse não foi um final muito bom.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Charles Bukowski.

Astronauta

A triste e curta vida de Ernesto