Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2013

Exploradores do abismo

Preciso que você saiba se algo acontecer, não é sua culpa. Não somos responsáveis por outra vida que não são as nossas. Não temos qualquer débito com outros, saiba disso, desde já. Eu sempre namorei o abismo, um passo em falso, e eu cairia. Sei disso desde jovem, desde aquele dia que peguei o estilete e meus pais tiveram que me levar ao hospital, às pressas, enquanto se perguntavam o que havia de errado. Olhei o mar, como um namorado perdido, se eu me acostumasse com ele, nós seriamos o mesmo ente, eu estaria mergulhado em uma morte qualquer, dolorosa, injusta, antes da hora, mas não importa, temos que saber que não importa. Amanhã o sol levanta do mesmo jeito, faz o movimento ridículo de elipse, seguindo alguns ditames físicos. Sabe-se que a felicidade é uma guerra, mas, jovem, eu já sabia que não queria lutar. Sorria para os mendigos, os malucos, os derrotados e os drogados. Sabia que era do time deles, e que não haveria final feliz, como num conto da Disney. Meu final seria exato. …

Cego.

Não entendo o que você queria, esperava que eu ficasse parado. Contando os dias até você abrir a porta, e descobrir que a tranca da minha casa sempre dá problema, e você teria que esperar minutos até que eu, finalmente, acordasse. Um pouco de mau humor, vestindo o pijama, esperando que eu sorrisse. Não me espere, como se eu fosse um personagem de desenho animado, confirmando suas suspeitas, erradas, de que a vida era boa. Não foi assim que eu te esperava. Te esperava como alguns sonhos ruins. Um pesadelo que te acorda no meio da noite. Transpirando, sem ar, desmaiado, em explosão de uma paixão incompleta. Era isso que eu sentia. Borges sentou na cadeira da maior biblioteca de Buenos Aires. Ele estava, completamente, cego. Dizendo que sua cegueira foi gradual, não foi dolorosa. Foi silenciosa, parece ser um entardecer num dia muito cansativo. Aos poucos, ele percebeu que a prosa era demais, queria dizer muito. Ele começou com a poesia, nos deu de presente as melhores metáforas. Disse qu…