Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2014

Saudosismo

Uma criança sorri, enquanto brinca, desavisada, sobre os olhares que seu pai lhe da. Ele tenta enxergar nos seus olhos, o brilho que nunca deixou de existir. Os olhos são estruturas estranhas, mantém seu brilho, mesmo sobre as condições mais adversas. O clube da luta começa com um homem abrindo um caderno, os órgãos começam a falar naquelas páginas. Boa tarde, eu sou os olhos, sou aquilo que você deixa de ver. Bom dia, eu sou as córneas, você terá que ficar cego para poder entender. A criança sorri, casualmente, sem saber direito sobre as reflexões do seu pai que brinca com os dedos, enquanto se preocupa com sua filha, seu jeito, seu andar, e sua vida. Pergunta-se o que haveria de ter acontecido, caso ele fosse mais tolerante, caso suas palavras não tivessem sido tão amargas. Sua esposa poderia ter ficado em casa. A geração repete os mesmos erros do passado, seu pai havia sido abandonado pela sua mulher, depois de vinte anos ausente desta mesma vida. O gato brincava sobre seus pés, e …

Exausto

O homem que senta no escritório parece cansado. Não parece a primeira vez que ele boceja no dia, levanta, sem disposição, bebe água e volta a sentar-se. Ele já imaginou, centena de vezes, o que poderia fazer de diferente com seu dia. O som da água escorrendo pelo bebedouro, os cochichos de trabalho ao seu redor, todos discutindo o que está prestes a acontecer nas suas vidas. Seu silêncio parece tomar conta do cômodo aos poucos, como se a liberdade fosse, na verdade, um tipo de entardecer.
Ele queria ter uma vida emocionante. Imaginou-se caçando no meio das selvas amazônicas; onde ele, finalmente, teria paz de espirito, mas não por muito tempo, um tigre o perseguiria, numa luta mortal, em que nenhum dos dois saberia o resultado até a última respiração, sabendo dos segredos sobre nosso passado, nós já fomos simples macacos. Ele pensava tais pensamentos tolos, enquanto tomava seu café, não havia dormido na noite anterior, seus olhos estavam dilacerados por sonhos que nunca havia vivido.