Conto do amor surreal.


Duas mulheres conversam, melindrosamente, em um grande apartamento no centro da cidade. A primeira tentava acalmar a amiga que não conseguia parar de chorar. Era como se a emoção acumulada em volta dos anos houve acumulado dentro do seu semblante. Pacientemente, a amiga passava a mão nos belos cabelos da sua amiga. Seu ex-marido havia acabado de declarar seu noivado com umas das mulheres mais bonitas da alta sociedade. Ela repetia a si mesma e, logicamente, a sua amiga, que o marido havia sido o único amor da sua vida inteira. Não lhe importava essencialmente que os vintes anos haviam sido regados de violência e infantilidade, porque seu sentimento estava prestes a explodir. 


A amiga funcionava como um viajante procurando no meio de uma densa nevoa algum tipo de caminho; a sua amiga, porém, não haveria de fugir do sentimento que lhe aplacava. Ensimesmada, ela chorava sem parar. Desse jeito, ela haveria de perder todo o liquido do seu corpo; não importava. Quero mais que meu corpo seja uma expressão de um antigo rio perdendo suas ramificações a um novo empreendimento tecnológico. Quero que a antiguidade das mais belas relíquias seja destruída enquanto o mundo seja queimado. Minha querida amiga.
         
O telefone começou a tocar. O nervosismo espalhou-se pelo seu corpo em pequenas linhas de ritmo. O tom do telefone a contaminava com sua simplicidade. Poderia ser seu marido; dizendo que se arrependeu, e quer ter a vida de volta. Os dias passando vendo televisão abraçados; a banalidade da insuficiência de um cotidiano idílico que nunca existiu. Era a mãe do marido.  Ele está extremamente doente, o casamento foi cancelado. A mulher entrou em pânico. Começou a colocar a mão sobre a boca como sinal de resignação. O choro começou a sumir, restava, agora, somente um rastro da sua solidão. Seu marido casar com outra mulher não seria nenhum problema, em comparação a sombra de uma memória de um morto que nunca haveria de abandonar-lhe.
                
A perspectiva é algo importante que há de sempre faltar na existência humana. Homens sonham desde a antiguidade com um ponto de vista que se assemelhasse a Deus. Os primeiros cientistas eram homens que acreditavam que sintetizando o mundo poderiam explicar Deus. A ciência tentou por muitos anos se unir a filosofia para dar vazão a um Deus científico. A razão ordenadora dos fenômenos científicos haveriam de ser o espírito manifestando-se no mundo.  Occam disse que se de duas explicações, uma fosse a mais simples, logo ela deveria ser, logicamente, melhor. Foi nesse ponto da história da filosofia que a humanidade tomou consciência de um problema essencial: se a explicação mais plausível não envolver a certeza de um Deus, nem da perspectiva unificadora de toda a humanidade, o que, então, restara de todo o mundo. A resposta, mais obvia, foi que tudo poderia ser unificado por meio da filosofia medieval. Mesmo o renascimento, debateu-se com a insuficiência da razão ou da espiritualidade, por outro lado.
                
O ponto básico é que, como seres humanos, somos devidamente incapazes de ver a fotografia geral das ramificações de nossas vidas. Somos incapazes de prever o que nossas ações iram afetar o mundo a nossa volta. Somos movidos por um destino que queremos, mas nunca seremos capazes de dominar. Se ao menos, houvesse um lugar em que a humanidade fosse resumida em um exato e restrito ponto haveríamos de poder prever o que somos. Esse ponto, porém, até hoje não foi localizado.
                
O homem levantava da sua cama de hospital. Havia feito somente um pedido para os seus médicos; sua ex-mulher não poderia vê-lo. Respeitando um homem que haveria logo de morrer, seus médicos seguiram, a risca, suas intenções. Sua noiva protestava; você tem que contar a história toda em algum lugar. É inacreditável para nunca ser contado. O velho sorria com displicência, afinal seu mote não era ser reconhecido. Aquela noite, bizarra, havia sido essencial na história, mas não poderia ser contada. Talvez aqui fiquemos confusos com tamanha determinação, no entanto, homem com grandes segredos são sempre mais interessantes.
                
Ele começou a pensar quando recebeu os resultados graves dos exames da sua ex-esposa. Chorou exatamente por um minuto inteiro sem restrições. Passado o tempo, ele começou a pensar nas opções que tinham lhe restado. Uma delas seria contar a sua esposa que ela iria morrer dentro de dias. Não parecia promissor do ponto de vista emocional. Lembrou de um antigo conto que sua mãe lhe contava antes de dormir. Há muito tempo atrás um monstro se mudou para uma casa no final do quarteirão, sua sina era a imortalidade. Seu único dever era cumprir os pedidos da humanidade; qualquer coisa que lhe fosse pedida deveria ser atendida. Com uma condição. Promessas têm custos. Milagres dependem do choro de um anjo, sua mãe dizia. O monstro anotava num pequeno papel as condições do acordo; se a pessoa aceitasse, qualquer coisa poderia acontecer. Se a promessa não fosse cumprida, a alma do devedor seria enviada diretamente para o inferno pelos cães de Hades. Não parecia promissor.
                
O homem saiu andando pela sua antiga rua na esperança que houvesse um grau de verdade naqueles contos antigos.  Andou até a porta da casa mal assombrada. Os escombros eram completamente aterradores; rosas negras nasciam pelas cercas; lapides de homens que não cumpriram as condições eram marcados por inscrições macabras: aqui jaz o homem levado pelo cão do inferno, aqui jaz o homem que teve a cabeça cortada por Hades e aqui jaz o homem cujo coração foi comido por um crocodilo gigante.
                
O homem ajoelhou-se frente à porta e pediu pela vida da sua mulher. Grito, implorou, esbravejou: sua vida, em troca, de qualquer coisa. Um barulho ensurdecedor tomou conta da porta daquela imensa mansão sombria. Medo invadiu cada centímetro quadrado daquele homem. Um papel com as segundas condições estava escrito na mais perfeita caligrafia:

1. Você morrera dentro de dez anos.
2. A partir de amanhã, você nunca mais pode dizer uma palavra ou olhar para o rosto da sua ex-mulher.
3. Divirta-se.
4. Não cumprindo tais condições, tais coisas aconteceram: cão do inferno, crocodilo comedor de corações e, finalmente, Hades.

Ele havia esperado dez aos pelo momento da sua morte. Tinha se divertido muito. Vivia com a felicidade saber que havia salvado a única mulher que sinceramente amou. Continuou seus dias se consumindo na mais terrível e simples alegria. Se você lembrar-se da mulher chorando no começo do conto, a perspectiva completamente muda. O choro retirado das suas mais ínfimas conseqüências não é nada comparado com a determinação ferrenha daquele homem. Seus olhos sorriam com o desespero daqueles que estão prestes a morrer. O latido dos cães se aproximava dos seus ouvidos. Sorria ao imaginar seu coração sendo pesado numa balança com uma pena; ele poderia jurar que a pena seria mais pesada e que sua pós-vida seria brilhante.

A última vez que ele poderia ver sua mulher antes que a meia-noite começasse a maldição. Ele correu a sua casa; sabendo que tinha somente três horas até o derradeiro prazo. Subiu as escadas como se fosse ser morto na cadeira elétrica. Fez sexo intenso com a sua mulher por duas tremendas horas. A energia tomava seu corpo, pois sabia que aquela haveria de será a última vez que ela veria seu corpo antes da sua morte. Quero te dar uma lembrança de mim mesmo.  Não das minhas emoções. Não quero que você me imagine desse jeito. Tenha em mim a lembrança do melhor sexo das nossas vidas; do corpo que, pela sua salvação, será morto. Ela sorriu, sem parar, para seu futuro morto marido. Depois disso, ele disse a ela no tom mais calmo possível: trai-te com várias mulheres, nunca mais quero ver seu rosto na sua vida, não me procure, nosso casamento está acabado, quero que se lembre de mim como o homem decrépito, injusto e pérfido que sou. Tais palavras teriam que ser o mantra que a mulher haveria de se repetir para esquecê-lo. No entanto, ela sempre teve em mente que aquilo soava como uma mentira; a vida soa como uma mentira.

A comédia da insuficiência da perspectiva se repete nesse instante. Um homem está morrendo, enquanto uma amiga passa horas dizendo das más qualidades do homem que operou um milagre. Se não fosse pela pena de alguns homens obcecados com a vida humana, tais informações nunca seriam ditas. A noiva do seu ex-marido me contou essa história, um dia, bêbada na minha cama. A história sobre o homem cafajeste que foi sempre o mais puro e simples de nós. Sobre a resolução infindável de um amor que já nascia incompleto. Não era sobre o amor, a história. O resumo sintético do posto de vista universal é, simplesmente, a determinação de um pobre homem a beira da morte de manter sua mais nobre promessa, enquanto o mundo lhe taxa do pior de todos os homens já vivos. O ponto universal que une todas as consciências não é nada mais do que a simples incompletude da nossa existência. Não é uma história de amor; é uma história da incompletude.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Charles Bukowski.

Astronauta

Devolvida ao remetente