Criação.


Tenho direito de te culpar por esse mundo. Foram suas palavras que fundaram minhas metáforas. Você deu vazão ao que eu nunca havia conseguido dizer. As palavras escorreram de mim torrencialmente enquanto eu olhava nos seus olhos. Não fuja da sua culpa. Não diga que não é sua culpa o mundo metafórico em que eu vivo. Relendo suas palavras, vejo que sou um resultado da sua criação.
            
Não foi o seu silêncio que me ensinou a ser sozinho? Nem ao menos mais de vinte beijos você teve a coragem de me dar. Eu me lembro de lhe dizer que cada um deles havia me tirado toda a dor acumulada numa vida inteira. Relembro seus traços; seus sarcasmos. Será que você aprovaria quem eu me tornei? Eu fui além do seu pior pesadelo; tornei-me o rei da terra do nada. Agora não existem expectativas em mim. No entanto, não existe ninguém.
            
Seu sorriso. Eu não me lembro de mais nada. Do seu sorriso; recomponho todo seu rosto. Você ria quando eu dizia que nunca te esqueceria, porém todos os dias da minha vida pensei em você. Não te amo para sempre. Não quero ser seu amigo. Não quero conversar com você. Penso em você todos os dias. Eu cumpri minha mais tola promessa de permanecer com você no meu imaginário.
            
Eu lhe culpo por tudo que destruí. Por tudo que eu nunca irei ser. Eu tenho direito. Você me encheu de silêncio e não teve a dignidade de repor barulho. Você saiu andando com passos da bailarina; retirando qualquer chance de vida. Você usurpou tudo em que eu acreditava; você me deixou numa cama num país estrangeiro prestes a morrer. Você nunca concebeu que eu existia; que eu deveria ser uma preocupação em sua mente. Eu poderia ter morrido, e você nunca haveria de ter lembrado meu nome.
            
Digo-te meu décimo oitavo adeus, que não se consome. Eventualmente, eu esqueceria seu rosto. Eu esquecerei o significado da vida. O significado da moral. No entanto, todo dia até a minha morte eu pensarei em você. Porque todo o inferno imaginário da minha mente, foi criado e imaginado por você. Eu sou a sombra do significado que criei para você. Agora, destituído de tudo, sou o não-significado. Sou simplesmente o medo de todos que olharam para o abismo, mas não tiveram a coragem de passar suas vidas dentro dele.  Eu vivo ali, onde não existe nada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Charles Bukowski.

Astronauta

Devolvida ao remetente