Delírio Bêbado 4.

Pressupostos acerca da existência. Procure ser feliz. Definição da felicidade: reconhecimento social. Penso cada vez mais que a questão está mal posicionada. O reconhecimento social é importante, mas ele deriva de outra coisa: do que nós pensamos sobre nós mesmos.
            
Existem milhões de formas de formular isso. Algum dia alguém talvez prove que é impossível fazer um ponto entre eu e outra pessoa, mas a questão de novo está mal colocada. Não me importa provar que você existe e que eu posso encostar-me a você; importa somente se eu acredito que você está ali:
            
Se após algum tempo, eu sei que existe alguém encostando na minha mão. Eu escuto uma respiração forte invadindo meu peito. Não preciso provar que ali existe alguém. Bom o suficiente é contar número de respirações sobre o meu peito enquanto a música baixa de tom. Enquanto a lua abaixa um pouco; a manhã aparece mais próxima. Mas nós nunca esperamos que a manhã realmente chegasse. Queremos que o momento se imobilize num retrato devagar. Será que nossa vida é recriar a expectativa de uma manhã que não vem. A lua desce contando os minutos ao redor do mar, e eu sei que estamos pertos. Perto de alguma coisa. Um significado para o que não foi dito. Não importa mais, as ondas do mar começam a bater sobre as pedras. Eu sei que mais uma vez; elas vão voltar. Todas elas. Nos meus sonhos mais malucos.
            
Um dia me perguntaram acerca da realidade. Disse o que qualquer um diria: Se Dom Quixote destruiu os dragões, então quem eu posso ser para questionar acerca da sua realidade. Dragões invadem o céu. Roubam a lua. Resto somente eu para roubar ela de volta, e entregar no seu colo. Seria um tolo a tentar me impedir chegar até ela. Escuto o uivo das dores daqueles que morreram sem nunca saber se havia alguém na sua frente. De novo, a questão está mal posicionada. Não me importa provar que você está ali. Eu me importo em saber que sinto você ali; próximo o suficiente da realidade. Assim como Dom Quixote e seus dragões destruídos.
            
Finalmente retorno ao mito do eterno retorno. Assim como Dom Quixote estirado no fundo da rua por defender uma puta. Estou aqui estirado na frente de um prédio; sentindo o sangue invadir cada poro do meu ser. E sei que como Dom Quixote eu estou lutando contra moinhos; minhas criações são os mais terríveis dragões. O mundo achar que são meros moinhos não faz a mínima diferença. Escuto o rugido de tais monstros invadirem a pobre sala enquanto a banda abaixa o tom. Eu dou a mão com todos meus heróis e nós sabemos que chegou à hora de dizermos o coro acerca da realidade. Eu sinto, logo eu existo. Eu não posso provar isso, mas como eu disse: raramente importa provar algo; somente são simples argumentos. Matar um dragão. Respirar no peito. Sentir o sangue invadir o corpo estirado. Viver.

Comentários

  1. Felicidade é diretamente proporcional ao que você pensa de si mesmo, mesmo que não haja reconhecimento social, que, de fato, pode ser uma consequência do que você pensa de si mesmo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Charles Bukowski.

Astronauta

A triste e curta vida de Ernesto