Coração.

Acordo na cama de hospital com o cheiro de alvejante me cercando. Percebo pouco a pouco que esse é um dos meus poucos momentos de lucidez. Devo aproveitar. É engraçado, mas eu pensei que perto da morte pensaria na mulher que sempre sonhei que era a mulher da minha vida; aquela que escapou. Felizmente, eu só consegui pensar em você e espero sinceramente que essas poucas palavras te lembrem de algo, nem que seja uma pequena sensação.

A doença começou quando eu era jovem, e aos poucos eu sucumbi. Eu sabia que tudo era um paliativo. Os médicos nunca fizeram questão de fingir qualquer otimismo. Era uma questão de tempo. Eu respirava o ar como se fosse ser meu último suspiro. Eu era uma máquina colocada para funcionar. Os números na minha ficha não diziam nada que eu conseguisse ler. Os números diziam o tempo dos médicos; o momento que meu coração pararia de bater. Eu preferia meus números, que de tão perdidos, não sabiam nada sobre o rodar do mecanismo do meu corpo.

Você, talvez, tenha sido a piada mais engraçada que eu já escutei, mas eu nunca consegui entender. Eu escrevi um cd inteiro com a banda sobre minha primeira namorada e nosso termino. A minha vida tinha acabado. Ela era minha única chance de felicidade. Bem, todos nós já fomos adolescentes um dia. Eu pensei no final da minha vida com todo meu coração até o dia que te conheci. Meu avô costumava me dizer que o problema do amor de verdade é que ele tinha que ser dos dois lados. A frase me contaminou de uma forma irreversível. Se amor de verdade já parecia uma invenção fictícia bizarra de poucas companhias de chocolates, filmes da Disney e cartões, então que chance no mundo existia para um amor reciproco?

É engraçado que no meu último momento de sanidade os enfermeiros me encontrem animando crianças na ala de câncer. Eu falei que meu coração ainda não tinha parado de bater, mas por pouco. Por muito pouco. Um batimento a mais, e tudo estava acabado. Eu tenho que apressar essa carta, antes desse momento. Espero que você entenda a brevidade das minhas palavras.

Lembra-se do dia que quase me afoguei? Seu irmão desmaiou na água, e eu nadei contra o rio para salvá-lo. Você me perguntou em quem eu pensei naquele momento. Eu menti e disse que tinha sido a garota do cd. Você teria me caçoado o dia inteiro, e eu esperava que você não adivinhasse que eu iria te pedir em casamento naquela mesma noite. Eu pensei no seu rosto, enquanto descia a correnteza abaixo perto de uma queda imensa. Imaginei a música que tocaria quando você viesse até mim. Talvez, tenha sido isso que tenha me salvado. Eu te agradeço.

Morrer do coração é muito perto de se afogar. Você percebe rapidamente que o ar vai embora. A sua respiração para de existir. Você não consegue controlar seu organismo. Escuta o barulho da ajuda chegando. Os paramédicos tentam evitar o pior. Espero que você não chegue rápido o suficiente para ver tudo acontecendo. Espero que você entre pela porta desse quarto e simplesmente pegue essa carta. Pense em mim. Somente por um segundo. Um bater de coração e está tudo acabado. Como se nós dois nunca tivéssemos existido. Eu te amo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Charles Bukowski.

Astronauta

Devolvida ao remetente