Delirios bêbado 2.

Eu tinha que ir embora. Você sabia disso. Eu voltei, e você estava beijando ele e parou. Eu nunca vou te atrapalhar de ser feliz, mas você saber a que custo? Meu corpo inteira foi dilacerado, cada parte dele se sentiu quebrada, você não vê? Minha alma, meu corpo, minha vida ainda te ama. Como você esperava que eu pudesse ficar e atrapalhar você a beijar alguém? Um homem de verdade vai embora. Um homem não pensa em si mesmo, e na dor no peito que ele sente. Ele pensa nos outros, na sua felicidade. E isso custa muito, isso custa um peito quebrado que quer chorar, gritar e mostrar para o mundo como ele é injusto. Todos parecem ser felizes, menos você. Você viveu sua vida de forma que os outros fossem felizes, e você ficasse infeliz. Você deu sua felicidade por outros, você saiu daquele bar sabendo que isso faria com que ela beijasse loucamente aquele menino, e mesmo assim você foi embora. Porque? Você poderia ter ficado lá e atrapalhado, mas quem é você? Eu sou o homem que vai embora, eu sou o homem que ignora o que sente no peito, eu sou o homem que liga com a felicidade dos outros, mesmo que isso custe sua vida, mesmo que ele não ganhe nada por isso. Descartes disse que havia um deus malvado que zuava com nossa capacidade, fazendo a gente nunca poder atingir a verdade ou qualquer coisa. Isso é a mais pura verdade, eu sei que tenho a capacidade de me doar pelos os outros, e esse deus malvado usa isso, me pede mais do que eu posso, e eu sempre entrego. E acabo morto por dentro. Eu tenho raiva, eu tenho raiva dessa dor no meu peito, desse sentimento. Eu não quero sentir absolutamente nada, eu quero a felicidade, mesmo contra um deus malvado, escutou descartes? Eu quero te derrotar, sempre quis, desde que li você pela primeira vez. Mas eu não posso e ninguém pode: você estava certo! Nos colocam a capacidade, mas nunca atingiremos a verdade, e acabaremos em casa olhando o céu, e sabendo que nunca seremos felizes, era isso que você queria? Era isso que eu queria? Eu fui embora do bar, decidido a deixar ela ser feliz, impedindo com que eu algum dia seja feliz, mas quer saber? Eu teria ido embora todas as vezes, as pessoas merecem serem felizes, mesmo que eu nunca seja. E eu não vou quebrar. Eu vou guardar isso no peito, e ser uma pessoa boa, demasiadamente boa, porque afinal, se não tiverem pessoas assim, como seria o mundo? Eu não teria sobrevivido sem pessoas assim, saiba disso, por isso eu quero ser isso, mesmo que custe meu peito e alma.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Charles Bukowski.

Astronauta

A triste e curta vida de Ernesto