Carta.

Carta ao responsável do distrito,

Caro senhor ou senhora, devo fizer claramente que não sofro por antecipação. Não é de antecipar um futuro longíquo negativo que sofro, e sim por saber do passado revivido num futuro próximo. Sherlock Holmes, pessoalmente, me ensinou que as pessoas exprimem sinais acerca dos seus próximos movimentos, e que se eu prestasse atenção o suficiente poderia prever suas falas e atividades. Dessa forma, exprimo de maneira clara que meu sofrimento é por conhecimento a partir da visão clara de fatos e evidências.

Senhor e senhora, afirmo mais e ainda digo que tomando a liberdade dos meus sentimentos, essa forma é de dizer que o que eu sinto tem alguma razão: a distância que se cria entre duas pessoa é criada na maioria dos casos por pura e simpes falta de sentimento. Infelizmente, como todos os pobres senhores sabem essa falta de sentimentos é ignorada por homens que tem o coração na mão; é um fato já sabido da nossa condição humana estudada pelos mais altos especialistas que homens com amor nos seus olhos não mais enxergam as razões dos seus atos. Shakaspeare foi um mestre de apontar as falhas em que nos colocamos pela simples vazão de sentimentos.

Meu apelo a você lendo essa carta é que entenda que sofrimento por antecipação não é necessariamente isso, senão uma previsão bem colocada de um futuro incerto, mas que tende a seguir algumas regularidades de ações. Talvez essa falha de cárater dificulte meu trabalho, mas de forma nenhuma é prova de mal conduta, ao contrário, mostra que parte do cavalheiro que está tentando conseguir esse trabalho ainda não guarda total indiferença referente aos assuntos humanos, e por isso sirva como um ótimo chefe de distrito.

Finalmente, gostaria de colocar o formalismo do lado, e dizer em palavras bem simples: o sentimento de perder alguém talvez seja um dos mais cruéis testes acerca da nossa existência, e eu passarei várias vezes por esse processo, reter as tristezas e mostrá-las abertamente por pequenas lágrimas escorrendo no rosto mostram que a racionalidade em mim é misturada com um tom de loucura, e os senhores bem deveriam saber que não existe mundo ou qualquer razão sem uma loucura. Afirmo ainda que esses sentimentos tem a tendência de sumir com o ardor da burocracia, e o encontro do frio vento da cidade.

Aguardo ansiosamente a resposta,

Escrivão do tribunal de Moscou, acerca do trabalho de chefe do distrito e a suspeita de condução emocional e contra-revolucionária aos interesses de Stalin.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Charles Bukowski.

Astronauta

A triste e curta vida de Ernesto