Delírio Bêbado.

Eu sinto muita falta sua, sabe como a lua sente falta das estrelas que vivem com ela. Eu fico triste de pensar em tudo que poderia ter sido. Imagina só, eu entrando no seu coração e tomando forma na sua vida. Agora não somos nadas, somos só uma sombra de estrelas brilhando num computador sem sentido. Eu me lembro de quando você me convenceu a cair naquela piscina quando a noite já quebrava, eu me lembro de como eu estava sorrindo quando te olhei. Você estava linda. Na minha memória, você era beleza. Você era amor. Porque você teve que ir embora? Eu não entendo.

Eu não vou concordar, nunca como disse meu bom amigo eu nunca vou concordar com as pessoas que quebram laços antes deles se formarem, que quebram amores antes de nascerem. Do que vocês têm medo? De sofrer? Vivemos num lugar onde só o amor faz sentido, do que estamos correndo? Eu fui ao seu encontro, mas você correu mais rápido do que pude alcançar, e agora estou aqui bêbado dizendo que não sei mais viver sem ter ela, Cartola. Eu queria dizer que não entendo o mundo lá fora, que não entendo a fuga, que não entendo a incerteza. Eu entendo a mim mesmo, e ao amor que podemos causar nos outros, e é isso que eu vou dominar, e isso que eu vou ser. Escutou? Eu ainda to aqui, bêbado, esperando te esquecer de uma vez por toda. Será que você imagina isso possível? Você e seus olhos cor de céu? Talvez não, mas eu já não reclamo. Eu sei do que sou feito, e eu não vou quebrar. Eu vou simplesmente amar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Charles Bukowski.

Astronauta

A triste e curta vida de Ernesto