Teste.

- O Teste. – Uma família inteira estava ao redor de bela menina de vestido branco com quadrados verdes, e o homem estava em pé, com roupas simples, depois de horas buscando ela na festa da cidade.

- Eu tenho que fazer um teste depois de horas a procurando, não parece justo.

-Justo seria você aceitar que nada é fácil.

- Vamos com o teste- Ela olhava sorrindo para ele, um daqueles sorrisos de rosto inteiro, como se soubesse que ele nunca falhou num teste,pelo menos não um que parecesse com algo do colégio, ou algo que Sócrates perguntaria.

- Bem, pergunta número uno, você tava reclamando do que é justo, então o que é justo?

- Olha parece uma pegadinha sem graça, mas o justo é construído entre as pessoas, e seu sentido está no social como uma família que define que é justo eu passar por um teste para ganhar um beijo.

- Tudo bem espertinho sua resposta verdadeira.

- Bem, eu por ser meio maluco, e sempre gostar de civilizações antigas, chuto que o justo venha da alma imortal, e de algo quase inato ao ser humano, por mais que dizer algo inato tenha virado algo feio hoje em dia, o engraçado de tudo é que as pessoas não percebem que só a forma deles contextualizaram de o outro, antro, já é uma forma categorizada bem padrão de pensar.

- Complicado demais, vai tirar zero.

-Justo é o que é justo, você percebe se auto-questionando e percebendo o outro ao seu redor o que isso significa, é mais um troço a ser buscado na verdade, e chuto que esse negócio seja comum a todo mundo.

-Chuta?

-É, to fingindo que não acho isso já tão estático quanto penso.

-Bem, bem, bem, existência de deus?

- Pegadinha, certo? Eu acredito que todos têm que ter a disponibilidade de acreditar no que quiserem, eu pessoalmente acho que por causa da astrologia e mesmo grande parte da filosofia e particularmente Sócrates e Heráclito e até aquele doido do Parmênides dizer que nada maior existe é um pouco fora da minha noção de amor e ciclo de vida, mas não é importante isso para duas pessoas que se importam uma com a outra.

- Como assim? E a astrologia?

- Deixa eu explicar, se dois planetas se atraem com uma força imensa porque eles não batem?

- Vamos espertinho- O tio imenso e com um bigode de novela mexicana continuo olhando cético.

- Bem, tem uma força inicial que faz com que se equilibre, sem que nenhum planeta se bata autodestruindo os dois, entende?

- O que isso quis dizer?

- Nós não vamos aos autodestruir por termos forças diferentes de vida, bigode.

-Última pergunta.

- Vamos logo, o beijo me espera.

- Qual a força de atração entre esses planetas no céu?

- X. Proporcional numa medida de peso e distancia, lembrando da força inicial que equilibra pela inércia.

- No seu sonho, você não sabia essa resposta!

- Sim, roubei ontem e procurei na internet.

- E nem o beijo, o sonho acaba nessa hora!- O tio falou gritando e se tornando um monstro enorme em forma de dinossauro.

-Bem, considerando que é meu sonho. - O tio se transformou numa pomba inofensiva. Os familiares sumiram assim como tudo ao redor menos ele e ela.

Uma montanha imensa surgiu, o céu se iluminou de cores e formas míticas, e a mulher disse:

- Um pouco clichê não acha?

- Depois de toda loucura, um pouco de clichê não faz mal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Charles Bukowski.

Astronauta

Devolvida ao remetente