A estrela.

Era uma vez um homem, ele amava uma estrela. Sabia da impossibilidade desse amor, ou pelo menos era assim que enxergava o problema todo. Passou noites inteiras frente ao mar vendo o reflexo da estrela, mas por mais que ele pensasse, ele só podia enxergar um pobre reflexo. O pobre homem chorava dias afundo frente à estrela, não conseguindo enxergar qualquer coisa ao seu redor. Nada valia as florestas, o brilho da lua banhando o chão, ou até mesmo o tradicional roçar das ondas na areia da praia. Seu defeito principal foi não acreditar na possibilidade da estrela, se jogou no vazio do penhasco sem acreditar realmente em alcançá-la, então caiu no vazio do mar perdido em pensamentos. No oco do mar que se encontrava, perto dos monstros milenários que se escondiam no fundo do mar, ele se fechou em si mesmo. Queimava tão forte sua chama, que tudo ao seu redor destruiu. Todos seus pensamentos passaram a ser queimados um por um, trucidados pelo desejo impressionante encontrado na sua alma. A própria água desapareceu ao seu redor, evaporou no momento da sua resolução profunda, os animais fugiam da sua proximidade como se houvesse perigo estacionado nos poros do corpo do pobre homem.Quando ele absorveu aquela certeza definitiva, a atração atingiu níveis inimagináveis, o mundo dentro de si mesmo passou a fazer o mínimo sentido. A realidade passou a se configurar de imagens dele mesmo, o mar, as estrelas, o céu, passaram a serem criações suas, e ele mesmo uma criação elaborada. No momento em que esses eventos se realizaram, ele passou a atrair a estrela invés de se sentir atraído. Ele sentiu em suas mãos o calor da estrela, seus contornos gastos do sol, junto com a expressão risonha do mundo. A estrela não era mais a mesma, a estrela agora tinha se transformado em milhões de coisas, o mundo em si estava no colo dele. O pobre homem sentia em suas mãos o universo inteiro, não só a estrela, mas diversas estrelas, o oceano, os animais, a vida extraterrestre, eram partes deles. Ao se perder na enormidade do ser, no seu destino predestinado, ele se tornará algo maior. O desejo fez seu auto-descobrimento. A dificuldade do amor se encontra nesse intervalo, homens deixam de se encontrar por meio do amor, para se perderem pelos seus amores. Ele teve sucesso, na medida em que acreditou piamente na possibilidade de encontrar uma estrela, e quando a encontrou, nada era o mesmo, transformara a estrela no universo e, conseqüentemente descobrirá seu destino no plano dos sonhos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Charles Bukowski.

Astronauta

A triste e curta vida de Ernesto