Medusa.

Poderá eu ter esperança;
De abraçar sua sombra,
De respirar seu sorriso,
Embaixo de uma árvore
imerso nas perólas vazias,
Dentro da cabeça surgida.

Ver seus dentes caírem,
Segurando seu cabelo,
No tear das valquirias,
Vou agradecer Prometeu,
Pelo acaso que ele me deu
Quando abriu seus olhos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Charles Bukowski.

Astronauta

A triste e curta vida de Ernesto