Napoleão.



Eu normalmente escrevo em narrativa, nunca de maneira pessoal como um diário, porque assim posso colocar o que eu penso de maneira bonita, quase distante. Hoje é seu aniversário, mano, então abrirei uma exceção. Primeiro queria dizer que o que ta dita aqui é aleatória. Eu lembro que a gente briga desde pequeno, mas nos gostando muito. Eu penso que nós estamos melhor, você diz que eu sou quase normal, eu digo que você é quase estranho. Você me ensinou a pensar menos. Lembra daquele dia que aprendi a andar de bicicleta aos 15 anos? Você me empurrou de uma ladeira, e disse “Aprende ou cai”, e eu aprendi. Eu sinto que te passei algumas coisas que você nem percebe, até sua mania por músicas antigas ou usar o violão para deixar a cabeça melhor, ou vai ver é genético. Eu gosto muito das brincadeiras, ou como eu desarrumo seu quarto, e deixo seus bonequinhos organizados como um exército em briga. Um bob esponja lutando contra Shrek dentro de um carro simplesmente faz sentido. E você se esconde no meu armário e me dá um daqueles sustos que me deixa completamente maluco. Ou como você se irrita especialmente quando eu me aproximo perto, em lugares fechados e grito bem alto “É NÓIS”, e você sempre tem a mesma reação de raiva.


Eu queria dizer, e me desculpe pelo sentimentalismo, que você vai ser um grande homem, daqueles que os livros são feito. Eu sinto que você acertou o que eu errei na adolescência, e depois me ensinou como acertar depois da adolescência. Eu queria que você perdesse um pouco medo do público, não ligue de gritar, dançar com uma mão para o alto, ou até mesmo rodopiar até ter uma boa idéia. E você é sensível, nem vem que por trás de toda a pose de machão, eu sei que tá uma pessoa até sensível, você nunca consegue não olhar para o rosto de alguém na rua, ou deixar de dar esmola, ou de se emocionar. Bem, é seu aniversário então parabéns, lute, escute, ame as pessoas, faça cosias malucas só para se divertir. Guimarães Rosa escreveu que a vida esquenta e esfria, aperta e afrouxa, mas o que ela quer da gente é coragem. Tenha coragem, o que a gente tenta dividir desde pequeno. Você também é curioso, lembro que estávamos numa festa, e eu tava ficando com uma menina, e você com seus amigos começaram a tentar descobrir onde nós estávamos, e você nunca achou, e não descobriu se eu fiquei com a menina. Nós ficamos no bloco em cima do B, no bicicletário, onde nos beijamos por horas, mas aposto que você podia ter adivinhado isso.


Napoleão nasceu no seu aniversário, você disse que queria ser como ele. Napoleão era impressionante pela sua coragem, o homem sozinho convenceu um exército que o veio prender a segui-lo. Ele tinha coragem, era isso. Você tem também. Para concluir vida longa e prospera, e todas essas coisas lindas de aniversário. E que nós sejamos próximos aos 70 anos com nossas esposas conversando, enquanto nossos filhos competem para saber quem é o melhor no que, e que a maior competição de todas seja quem dança pior! Afinal tradições não se perdem. Te amo, pequeno.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Charles Bukowski.

Astronauta

Devolvida ao remetente